Guilherme Lopes é um jovem negro, de família humilde, filho de pedreiro e costureira, que aos 26 anos se tornou o doutor mais jovem do Brasil. Natural de Piripiri, município no interior do Piauí, o universitário teve sua tese de doutorado em biologia aprovada pela Universidade Federal do Piauí (UFPI), em Parnaíba, Piauí.
Um dos doutores mais jovens do Brasil que iniciou seus estudos em um colégio público da sua cidade natal, depois vai estudar em Teresina. Guilherme ainda estudou em Parnaíba, onde defendeu sua tese de doutorado, aprovada pela Universidade Federal do Piauí.
Filho de gente humilde, Guilherme Lopes foi aluno de escola pública e conseguiu ingressar no ensino superior por meio do ENEM e PROUNI, conquistando uma bolsa para cursar a Biomedicina da Faculdade Maurício de Nassau, na capital Teresina.
Por meio de muito estudo e dedicação, Guilherme conseguiu uma oportunidade de passar um ano no exterior, estudou na Espanha, através de uma bolsa. Durante essa temporada o jovem aperfeiçoou sua pesquisa no Departamento de Farmacologia da Universidade de Sevilla.
Guilherme passou na frente de outros doutores também jovens, concluiu seu doutorado sendo sete meses mais jovem que Bruna Ribeiro, recordista reconhecida por uma empresa brasileira especializada em recordes, pela sua dissertação de Mestrado defendida em 2013. Também passou de Gustavo dos Santos, que levou o título de doutor na Universidade Federal do Paraná aos 20 anos.
Para conseguir fazer seu doutorado, Guilherme realizou pesquisas em uma planta chamada faveiro. No estudo separou algumas moléculas e conseguiu resultados importantes para combater inflamações no intestino grosso, intitulando sua tese de: “Bioprospecção da bergenina isolada de Peltophorum dubium, com ênfase nas propriedades antioxidantes e anti-inflamatórias: aporte para o desenvolvimento de novos fitomedicamentos”. O universitário defendeu as propriedades da planta, atuando no ramo da atividade anti-inflamatória e antioxidante dessa molécula.
Graças á tese de Guilherme, novas pesquisas estão sendo desenvolvidas, para que futuramente possa se produzir um novo medicamento. Essa tese é fruto de oportunidades alcançadas graças a programas de ações e incentivo à pesquisa, como por exemplo, o Ciência sem Fronteiras.
Atualmente o jovem é docente na Faculdade Christus Faculdade do Piauí CHRISFAPI, lecionando nos cursos de Farmácia e Enfermagem. E em uma entrevista ao site Awebic, o universitário explica em poucas palavras como foi o caminho para se tornar doutor: “Me lancei ao novo, vivenciei o inesperado, saboreei o doce e o amargo”.

As ações afirmativas visam eliminar os desequilíbrios sociais historicamente acumulados e buscar a democracia, com igualdade de oportunidades e tratamento, compensando as perdas provocadas por diferentes fatores, como a discriminação e marginalização muitos presentes no Brasil. Mesmo em meio a tantas dificuldades, Guilherme aproveitou as oportunidades que lhe apareceram, se beneficiando das ações de políticas públicas que democratizam o acesso dos brasileiros aos estudos, reafirmando a importância do fortalecimento dessa prática como instrumento para sanar as desigualdades sociais no país.